Capa do livro: POVOS INDÍGENAS, INDEPENDÊNCIA E MUITAS HISTÓRIAS<br>repensando o Brasil no século XIX

POVOS INDÍGENAS, INDEPENDÊNCIA E MUITAS HISTÓRIAS
repensando o Brasil no século XIX

Autores: Vânia Maria Losada Moreira - Mariana Albuquerque Dantas - João Paulo Peixoto Costa - Karina Moreira Ribeiro da Silva e Melo - Tatiana Gonçalves de Oliveira (Organizadores)

Por muito tempo, a historiografia acomodou-se à posição de interpretar o Brasil independente sem os indígenas, acionando problemas de investigação e grades de leitura das fontes primárias que tornavam difícil visualizá-los, seja como “protagonistas” históricos, seja mesmo como “variáveis” de importância relativa para a compreensão de eventos e processos. [...] Povos indígenas, independência e muitas histórias – Repensando o Brasil no século XIX é uma coletânea de reflexões que busca agregar os indígenas nesse processo de renovação historiográfica, trazendo e discutindo novos problemas, temas e perspectivas que, nas últimas décadas, têm sido objeto do que se convencionou chamar de nova história indígena. Os estudos aqui reunidos expressam a multiplicidade de caminhos percorridos pelos variados povos na formação do Brasil independente, lançando luz nos desafios, interesses, expectativas e interpretações expressas pelos próprios indígenas. Nessa empreitada, os autores quebram vários estereótipos atribuídos aos indígenas, que, durante muito tempo, foram difundidos ou simplesmente não questionados pela historiografia mainstream, como se colocá-los à prova da dúvida metódica não fosse exigência do trabalho historiográfico. A presumida indiferença ou incapacidade das populações indígenas de lidarem com processos e acontecimentos históricos em que estavam direta ou indiretamente envolvidas e a suposta insignificância deles na composição das estruturas e das conjunturas históricas são alguns dos horizontes rompidos e superados pelos autores responsáveis pelos estudos aqui publicados.

Impresso
de R$ 185,00 por
R$ 160,00
Digital
de R$ 185,00 por
R$ 129,50

Confira nosso catálogo na Amazon!

Amazon Kindle
Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete
Consultar frete e prazo de entrega:

Desconto no frete*!

Nas Compras de:

3 livros - 50% de desconto

5 livros - frete gratuito

* O desconto será aplicado no envio da modalidade Impresso Normal
(Sem rastreio e sem aviso de entrega)

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-65-251-3791-9
ISBN DIGITAL:978-65-251-3789-6
DOI: 10.24824/978652513791.9
Ano de edição: 2022
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 626
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

POVOS INDÍGENAS, INDEPENDÊNCIA E MUITAS HISTÓRIAS<br>repensando o Brasil no século XIX

ANDRÉ ROBERTO DE ARRUDA MACHADO

Professor Associado dos cursos de graduação e pós-graduação em História da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (2006). Atualmente, pesquisa as formas de trabalho compulsório dos indígenas empregados no Pará entre 1821 e 1840, bem como outras formas de trabalho forçado nas Américas.

 

ANTONIO ESCOBAR OHMSTEDE

Professor pesquisador do Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social (CIESAS) desde 1986. Realizou seus estudos de doutorado no Colégio do México (1994). Publicou capítulos de livros e artigos sobre o papel dos povos indígenas nas Huastecas e nos Valles Centrales de Oaxaca em fóruns nacionais e internacionais. Coordenou e co-coordenou diversas publicações relacionadas à análise das populações indígenas no século XIX latino-americano.

 

AYALLA OLIVEIRA SILVA

Professora adjunta de História da Unidade Acadêmica de Educação a Distância e Tecnologia da UFRPE. Doutora em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ (2020). Se dedica à pesquisa sobre os Povos Indígenas na História, com ênfase nos seguintes temas: política indigenista, colonização, trabalho e relações interétnicas, no sul da Bahia imperial.

 

BRENO SABINO LEITE DE SOUZA

Doutor em História das Ciências e da Saúde pela Casa de Oswaldo Cruz (PPGCHS). Tem desenvolvido pesquisas na área de História da Historiografia e História da Antropologia. Atualmente pesquisa a relação entre viagem, etnografia e indigenismo no Brasil. Tem como áreas de interesse: Indigenismo, Etnografia, Intelectuais, História da Antropologia e História das Ciências.

 

CACIQUE MEGARON TXUCARRAMÃE

Uma das mais importantes lideranças Kayapó da Terra Indígena do Xingu, no Mato Grosso. Luta desde pequeno com seu tio, o cacique Raoni, pelos direitos dos povos indígenas. Dirigiu o Parque Indígena do Xingu entre 1985 e 1989 e foi coordenador da regional da Funai do município de Colíder, no Mato Grosso, entre 1995 e 2011, quando foi exonerado.

 

DEMÉTRIO DA SILVA MUTZENBERG

Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Doutor em Arqueologia pela Universidade Federal de Pernambuco e pesquisador da Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM). Tem experiência na área de Arqueologia, com ênfase em arqueologia pré-histórica, análise espacial em arqueologia e geoarqueologia.

 

EDSON HELY SILVA

Professor Titular de História da UFPE, também leciona no Centro de Educação/Col. de Aplicação da UFPE, no PROFHISTORIA /UFPE e no Programa de Pós-Graduação em História na UFRPE. Doutor em História Social pela UNICAMP (2008).Tem experiência na área de pesquisas em História e Ensino, com ênfase em História do Brasil e nos seguintes temas: história indígena/os indígenas na História no Nordeste e em Pernambuco nos séculos XIX e XX; memórias indígenas.

 

FRANCISCO EDUARDO TORRES CANCELA

Professor Titular do Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias da Universidade do Estado da Bahia. Também é membro efetivo do Programa de Pós-Graduação em Estado e Sociedade, da Universidade Federal do Sul da Bahia e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Africanos, dos Povos Indígenas e das Culturas Negras, da Universidade do Estado da Bahia. Doutor em História pela Universidade Federal da Bahia. Tem diversas publicações sobre história colonial e a participação dos índios na formação da sociedade brasileira.

 

GIOVANI JOSÉ DA SILVA

Professor adjunto da Universidade Federal do Amapá (Unifap), atuando nos Cursos de História, Direito, Licenciatura Intercultural Indígena, Pedagogia – ProfHistória. Doutor em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG) - 2009. Principais linhas de atuação em Ensino, Pesquisa e Extensão: Ensino de História; História dos Indígenas no Brasil e nas Américas; Antropologia; História do Teatro.

 

IZABEL MISSAGIA DE MATTOS

Professora Associada e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Tem experiência na área de Antropologia, dedicando-se principalmente aos seguintes temas: antropologia histórica, patrimônio cultural, memória social, antropologia da saúde, etnologia indígena e missões religiosas.

 

JOÃO GABRIEL DA SILVA ASCENSO

Professor efetivo de História do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CAp-UFRJ). Doutor em História pelo Programa de Pós-graduação em História Social da Cultura da PUC-Rio.Tem interesse na área de História Indígena, História da América Latina e Ensino de História, com especial atenção às articulações entre as cosmovisões ameríndias e os movimentos indígenas do continente.

 

JOÃO PAULO PEIXOTO COSTA

Professor do Instituto Federal do Piauí (IFPI) e do Mestrado Profissional em Ensino de História - PROFHISTÓRIA - da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Pesquisador da Biblioteca Nacional, tem interesse na história do Ceará entre a crise do Antigo Regime e a formação do Estado nacional brasileiro, com ênfase em políticas indígenas e indigenistas, na atuação dos vereadores e juízes indígenas nas câmaras municipais de vilas de índios.

 

JOSÉ MARCOS MEDINA BUSTOS

Doutor em Ciências Sociais pelo Colégio de Michoacán e professor pesquisador do Colégio de Sonora, no México. Suas linhas de investigação são a historiografia e a história social, demográfica e política de Sonora no período de 1750-1850. Nível 2 no Sistema Nacional de Pesquisadores. Correspondente em Sonora da Academia Mexicana da História.

 

KARINA MOREIRA RIBEIRO DA SILVA E MELO

Professora adjunta na Universidade Estadual de Pernambuco/UPE e docente permanente do Mestrado Profissional em Culturas Africanas, da Diáspora e dos Povos Indígenas (PROCADI). Doutora em História Social pela Universidade Estadual de Campinas/Unicamp (2017). Atua principalmente nos seguintes temas: história indígena, Brasil colonial e imperial, fronteiras.

 

LÚCIO TADEU MOTA

Professor Associado no Departamento de História da Universidade Estadual de Maringá/UEM-PR e credenciado aos Programas de Pós-Graduação em História da UEM-PR e da UFGD-MS. Doutor em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Desenvolve estudos e pesquisas nas áreas de História indígena, Antropologia e Arqueologia relacionadas às populações indígenas no Sul do Brasil, com ênfase nas populações Kaingang e Xetá.

 

MÁRCIO COUTO HENRIQUE

Professor Associado da Faculdade de História e do Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia (UFPA). Doutor em Ciências Sociais/Antropologia (2008) pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Tem experiência nas áreas de História e Antropologia, com ênfase em História do Brasil Império, atuando principalmente nos seguintes temas: história indígena e do indigenismo, história social da medicina, escrita de si e religiosidade popular.

 

MARIA REGINA CELESTINO DE ALMEIDA

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense (PPGH/UFF) e pesquisadora do CNPq. Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Indígena, atuando principalmente nos temas: indígenas, missionação, Amazonas, Rio de Janeiro e identidade étnica.

 

MARIANA ALBUQUERQUE DANTAS

Professora do Departamento de História da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense. Desenvolve pesquisas sobre grupos indígenas no século XIX, enfocando reelaboração de identidades coletivas, estratégias indígenas, participação política, espaços informais de exercício da cidadania e formação do Estado nacional brasileiro.

 

PABLO ANTUNHA BARBOSA

Professor Adjunto do Centro de Formação em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do Sul da Bahia (CFCHS/UFSB) e do Programa de Pós-Graduação em Estado e Sociedade (PPGES/UFSB). Doutor em Antropologia Social e Histórica pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (EHESS, Paris). Pesquisador no Centro de Documentação e Pesquisa Memórias do Sul da Bahia e no Laboratório de Pesquisa em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento (LACED, PPGAS-MN-UFRJ) .

 

RITA DE CÁSSIA MELO SANTOS

Professora adjunta no Departamento de Ciências Sociais e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Paraíba. Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2016). Tem atuado, principalmente, nos seguintes temas: coleções etnográficas, museus, imagens, populações indígenas, história da ciência e antropologia e educação.

 

RICARDO PINTO DE MEDEIROS

Professor titular da Universidade Federal de Pernambuco, lotado no Departamento de Arqueologia e no Mestrado Profissional em Ensino de História. Doutor em História (2000) pela Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência e interesse nas áreas de História, com ênfase na História e cartografia dos povos indígenas no período colonial no Nordeste; na educação patrimonial, ensino de História e em Arqueologia do contato.

 

RICARDO WEIBE TAPEBA

Vereador (PT) no município de Caucaia, Ceará, e liderança do povo Tapeba. Coordenador da FEPOINCE (Federação dos Povos Indígenas do Ceará) e advogado do escritório Iby – Advocacia Popular Indígena.

 

SORAIA SALES DORNELLES

Professora Adjunta do Departamento de História na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e docente do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIS-UFMA). Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (2017). Realiza pesquisa em História colonial e imperial brasileira, História Indígena e do Indigenismo. Tem interesse nas áreas de História Colonial e Imperial do Brasil, História Social da Cultura, História do Trabalho, História Agrária e Ensino de História Indígena.

 

TATIANA GONÇALVES DE OLIVEIRA

Professora Adjunta do curso de História da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e atualmente está cedida à SEDUC na equipe de implantação da Educação Escolar Indígena e Quilombola no Piauí. Doutora em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Tem interesse na História dos povos indígenas no Brasil, especialmente a partir da problemática da terra e do trabalho.

 

VÂNIA MARIA LOSADA MOREIRA

Professora Titular da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), onde também atua no Programa de Pós-Graduação em História. Doutora em História pela Universidade de São Paulo (1995). É pesquisadora do CNPQ e atualmente dedica-se à pesquisa em História Social e Política, com ênfase na História dos Indígenas (Brasil - séculos XVIII e XIX). Participa de redes de discussão sobre a questão indígena no período colonial e no processo de formação dos Estados nacionais na América Latina, envolvendo investigadores de diferentes instituições e países.

 

VENÂNCIO GUEDES PEREIRA

Professor substituto da Universidade do Estado do Amapá (UEAP) e docente na rede privada de ensino como professor de História. Doutor em História pelo programa de Pós-Graduação em História Social/UFRGS.  Tem interesse nos seguintes temas: História indígena, Estudos de Fronteiras, História Cultural, História da América, História do Amapá e da Amazônia.

 

ZULEMA TREJO CONTRERAS

Doutora em História pelo Colégio de Michoacán. Professora pesquisadora adjunta no Centro de Estudios Historicos de Región y Frontera do Colégio de Sonora. Integrante do sistema nacional de pesquisadores. Coordenou, junto a Ana Luz Ramírez e Raquel Padilla Ramos, diversas publicações como: “Mudança cultural em territórios de fronteira. Programas, processos e apropriações, séculos XVII-XXI”, também junto à Raquel Padilla Ramos e Esperanza Donjuan “A instituição significada: os povos indígenas na Sonora colonial e republicana”. Além disso, com Antonio Escobar Ohmstede e José Alfredo Rangel, “O mundo rural mexicano na transição do século XIX para o XX”, entre outros.