Capa do livro: LUGARES E PRÁTICAS HISTORIOGRÁFICAS:<br> escritas, museus, imagens e comemorações

LUGARES E PRÁTICAS HISTORIOGRÁFICAS:
escritas, museus, imagens e comemorações

Autores: Ana Paula Sampaio Caldeira - Douglas Attila Marcelino

livro digital
de R$ 0,00 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

Na Compra de 3 livros do site, frete grátis

Na Compra de 2 livros do site, 50% de desconto do frete

Na Compra de 1 livro do site, 15% de desconto do frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

Interrogando-se sobre diferentes “lugares” e “práticas historiográficas”, os textos que compõem esta obra coletiva se voltam para uma multiplicidade de fontes e suportes, que abarcam desde cartas até práticas comemorativas, coleções, guias museológicos, livros de história, filmes, vestimentas, pinturas e crônicas.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-65-251-0703-5
ISBN DIGITAL:978-65-251-0701-1
DOI: 10.24824/978652510703.5
Ano de edição: 2021
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 284
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

LUGARES E PRÁTICAS HISTORIOGRÁFICAS:<br> escritas, museus, imagens e comemorações

Autores

ALINE MONTENEGRO MAGALHÃES
Historiadora no Museu Histórico Nacional e doutora em história social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É autora, dentre outros, do livro Culto da saudade na casa do Brasil, publicado pelo Museu do Ceará em 2006. O artigo publicado neste livro integra algumas reflexões desenvolvidas durante a sua pesquisa de pós-doutorado, realizada junto ao Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Unirio/Mast com bolsa do CNPq (2018).

ANA PAULA SAMPAIO CALDEIRA
Professora do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais e doutora pelo Programa de Pós-Graduação em História Política e Bens Culturais do CPDOC/ FGV. É autora, dentre outros, dos livros O Bibliotecário Perfeito. O historiador Ramiz Galvão na Biblioteca Nacional (1870-1882) (Fundação Biblioteca Nacional/ Edipucrs, 2017) e Colecionar, escrever a história. A memória do império português legada por Diogo Barbosa Machado (FBN, 2017).

ANDRÉ ONOFRE LIMÍRIO CHAVES
Graduado e mestre em História pela Universidade Federal de Minas Gerais, atualmente é doutorando pela mesma instituição e bolsista CAPES. O foco de atuação de suas pesquisas é a formação de coleções durante o Brasil Império e a sua relação com a escrita da história nacional. No mestrado abordou a história da coleção egípcia do Museu Nacional e as leituras que foram feitas dela no Oitocentos.

ANTONIO LUIZ MACÊDO E SILVA FILHO
Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Ceará e doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Seus temas de pesquisa compreendem o estudo da cultura material, da história do cotidiano e da história urbana. É autor, dentre outros, do livro Fascínio e projeto: percursos da energia elétrica no espaço urbano (Fortaleza, 1945-1965), publicado pela Editora UFC em 2016.

CARINA MARTINS COSTA
Professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e doutora pelo Programa de Pós-Graduação em História Política e Bens Culturais do CPDOC/ Fundação Getúlio Vargas. Atua também como orientadora do Programa Jovens Talentos do Museu da Maré e como coordenadora do Projeto “Olhos de ver: produção de materiais digitais”, que conta com apoio da Faperj. Suas áreas de atuação compreendem temas relacionados ao patrimônio e ao ensino de história. É autora, dentre outros, do livro Maré de histórias, publicado em 2019.

DOUGLAS ATTILA MARCELINO
Professor do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais e doutor em história pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É autor, entre outros, dos livros O corpo da Nova República: funerais presidenciais, representação histórica e imaginário político, Historiografia, morte e imaginário: estudos sobre racionalidades e sensibilidades políticas (2017) e organizador de Ritualizações do passado: a história como prática escrita e rememorativa (2020). É bolsista de produtividade do CNPq e coordenador do grupo de pesquisa Ritualizações do poder e do tempo: grupo de estudos em teoria e historiografia (UFMG).

DOUGLAS DE SOUZA LIBORIO
Douglas de Souza Liborio é bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestrando em História Contemporânea pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atua como Historiador na Subdiretoria-Geral de Cultura da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e é um dos responsáveis pela Exposição “Palácio Tiradentes: Lugar de Memória do Parlamento Brasileiro”. Desenvolve pesquisas na área de recepção da Antiguidade nas primeiras décadas do XX, com ênfase nos estudos de Cultura Visual e decoração dos Palácios cariocas.

ERIKA MORAIS CERQUEIRA
Professora de história e pesquisadora do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena/MG. Doutora em História e Culturas Políticas pela Universidade Federal de Minas Gerais e colaboradora do grupo de pesquisa Ritualizações do poder e do tempo: grupo de estudos em teoria e historiografia (UFMG). Autora do livro Habitar o Passado - Gustavo Barroso e o seu tempo, publicado pela editora Prismas em 2017.

FRANCISCO RÉGIS LOPES RAMOS
Professor Titular do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará e doutor em história pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É autor, dentre outros, do livro A Danação do Objeto: o museu no ensino de história, publicado pela editora Argos em 2006. O texto publicado neste livro é um resultado parcial da pesquisa “Uma questão de tempo: o Museu Histórico Nacional e as narrativas de divulgação da História do Brasil (1922-1959)”, com bolsa do CNPq (produtividade, nível 2).

ISIS PIMENTEL DE CASTRO
Professora de História e de História da Arte do Centro Federal de Educação Técnica e Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), do campus de Belo Horizonte. Doutora em História pela Universidade Federal de Ouro Preto, onde defendeu a tese intitulada “Entre batalhas: de relíquias ao revival da arte acadêmica”. Interessa-se pelo estudo das pinturas históricas brasileiras e dos museus que as abrigam. Atualmente, dedica-se a pesquisar o tema da cultura histórica nas suas relações com o ensino de história.

MARCELO SANTOS DE ABREU
Professor da Universidade Federal de Ouro Preto e doutor em história social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Realizou estágio pós-doutoral no Programa de Antropologia da Universidade da Cidade de Nova Iorque. Além de atuar no âmbito da formação de professores, desenvolve pesquisas relacionadas ao tema da popularização da história e cultura de história na República. Entre os temas de interesse relativos à cultura de história republicana, destaca-se a história das comemorações, a história da relação entre a circulação da pintura de história, os impressos e a história escolar, a interrogação das esculturas monumentais na cultura cívica. Na chave da popularização da história, dedica-se a investigar e orientar pesquisas sobre os patrimônios e os museus.

PAULO DEBOM
Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e docente da Gestto Cultural do Centro Universitário Celso Lisboa. Atua também como editor da Revista Veredas da História. Suas áreas de pesquisa concentram-se em temáticas relacionadas à História Moderna e Contemporânea, Didática e Ensino de História, com foco nos diálogos entre arte, moda, cultura visual e relações de poder.

SÍLVIA CORREIA

Professora no Programa de Pós-Graduação em História Social e no Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutora em História Contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa. Realizou estágios pós-doutorais na Brown University e na Universidade Nova de Lisboa. É autora, dentre outros, do livro Entre Heróis e Mortos Políticas da memória da I Guerra Mundial em Portugal (1918-1933) (7Letras/FAPERJ, 2015) e coorganizadora de Tempos e espaços de violência: a Primeira Guerra Mundial, a desconstrução dos limites e o início de uma era (Autografia, 2019). Atualmente, dedica-se ao estudo das memórias da experiência portuguesa da I Guerra Mundial na Europa e em África.