Capa do livro: VIAJANTES DO TEMPO:<br> imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo

VIAJANTES DO TEMPO:
imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo

Autores: Alexandre Branco Pereira

Nesta etnografia, o antropólogo Alexandre Branco Pereira analisa as coreografias ontológicas dos mecanismos de integração e assimilação de imigrantes e refugiados na cidade de São Paulo, focando especialmente os serviços de saúde mental destinados para essa população. Realizando um trabalho etnográfico extenso e profundamente implicado, o autor argumenta que tais mecanismos podem ser vistos como maquinários de atualização temporal de mentes e culturas consideradas "pré-modernas", possuindo uma topografia irregular e incidindo sobre determinados grupos de maneira mais intensa.

Impresso
de R$ 70,04 por
R$ 53,88
Digital
de R$ 70,04 por
R$ 49,03

Confira nosso catálogo na Amazon!

Amazon Kindle
Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete
Consultar frete e prazo de entrega:

Desconto no frete*!

Nas Compras de:

3 livros - 50% de desconto

5 livros - frete gratuito

* O desconto será aplicado no envio da modalidade Impresso Normal
(Sem rastreio e sem aviso de entrega)

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-4061-2
DOI: 10.24824/978854444061.2
Ano de edição: 2020
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 180
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

VIAJANTES DO TEMPO:<br> imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo
ALEXANDRE BRANCO PEREIRA
É doutorando em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos e pesquisador do Laboratório de Estudos Migratórios (LEM-UFSCar). Atua como colaborador no Programa de Psiquiatria Social e Cultural do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (ProSol-IPq-USP), onde estruturou e implementou o Núcleo de Antropologia. Também é membro da coordenação da Rede de Cuidados em Saúde para Imigrantes e Refugiados da cidade de São Paulo, e autor do livro “Mas é só você que vê?”, sobre a percepção social da loucura e reconstrução do universo simbólico de sujeitos com diagnósticos psiquiátricos. Dá aulas de português para imigrantes e refugiados no Coletivo Conviva Diferente.