O NEGRO NA BIBLIOTECA:<br> mediação da informação para construção da identidade negra

O NEGRO NA BIBLIOTECA:
mediação da informação para construção da identidade negra

Autores: Francilene do Carmo Cardoso

livro impresso
de R$ 30,90 por
livro digital
de R$ 30,90 por

Disponibilidade: 5 Dia(s)
+ Prazo de Frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

As bibliotecas públicas pela sua natureza e missão são consideradas espaços de informação, leitura e memória a serviço da sociedade de forma indistinta. Porém, ao longo de sua emergência no Brasil foram pensadas e organizadas para atender a elite branca. Durante séculos ela se constituiu como espaço inacessível às comunidades pobres, aos negros e as mulheres. Somente a partir do Século XX as bibliotecas Públicas passaram a construir políticas democráticas visando socializar seus acervos e atender os diversos segmentos sociais. A partir dos anos oitenta com a redemocratização do País, muitos esforços para fazer das bibliotecas públicas um espaço aberto, criativo, de construção e fortalecimento das comunidades tem sido inúmeros, porém, nesses esforços há lacunas, vácuos que precisam ser repensados e reparados. O livro de Francilene Cardoso mostra a necessidade urgente de revisão das estruturas conservadoras que permanecem na sociedade. Dentre elas as bibliotecas públicas que ainda não ouviram os clamores das ruas, não romperam com os silêncios históricos que isolam as bibliotecas das pessoas, encastelando-as como espaço elitizado e inacessível. Os resultados da pesquisa de Francilene Cardoso, tão bem apresentados neste livro, servem de alerta para a Biblioteca Publica Benedito Leite e outras tantas bibliotecas espalhadas pelo Brasil que ainda não conseguiram compreender as contradições deste País e reparar as dívidas históricas que tem com determinadas populações, em especial a população negra que ao longo dos séculos vem lutando por reconhecimento de sua identidade e cultura. As bibliotecas podem contribuir com este reconhecimento na medida em que construírem acervos e estimular as populações negras a fazerem parte de um projeto de mudança a partir de programas de leitura e que levem em conta as diversidades. Somente com projetos voltados para o fortalecimento destes segmentos sociais é possível retirá-los do silêncio histórico que ainda as mantêm isoladas. O livro de Francilene Cardoso é um alerta a todos nós bibliotecários comprometidos em escrever uma nova história sob a luz da igualdade e do acesso e democratização do conhecimento e da informação.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-0542-0
DOI: 10.24824/978854440542.0
Ano de edição: 2015
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 104
Formato do Livro: 14x21 cm
Número da edição:1

Sumário

O NEGRO NA BIBLIOTECA:<br> mediação da informação para construção da identidade negra

Autores

FRANCILENE DO CARMO CARDOSO

O tema da dissertação que gerou esse livro faz parte da minha vida pelo fato de eu ser mulher, preta, pobre. Nessa condição, minha experiência foi semelhante à de outras tantas mulheres negras trabalhadoras: filha de lavadeira e de estivador, moradora de palafitas, empregada doméstica, babá e mãe solteira.Fui mãe pela primeira vez, no ano de 2002, nesse mesmo ano ingressei na Universidade Federal do Maranhão para estudar Bibliotecomia, sendo a primeira da família e da minha comunidade a ingressar numa universidade pública, e comecei a militar no movimento estudantil e no movimento negro; após alguns anos passei a adquirir  livros de literatura infanto-juvenil com histórias e ou personagens negros como forma de incentivar a leitura do meu primogênito, que mesmo pequeno já tecia observações sobre a identidade negra representada nesses livros: mãe eles são iguais a mim! mãe eu não quero ser carvão!.  Isto fez brotar o desejo de compreender melhor as razões dessa representação negativa e como transformar essa realidade.Em 2009 fiz mestrado em Ciência da Informação na Universidade Federal Fluminense,  e em 2011 especialização em História da África e do Negro no Brasil pela Universidade Candido Mendes. Sou doutoranda da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora substituta do Departamento de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação dessa mesma universidade.